Comunidade da Graça em Londrina
GCEM

Dinâmica do GCEM

6/9/2010

 

O grupo é lugar de relacionamento, de atendimento das pessoas, de oração e de multiplicação. A reunião do GCEM deve estar baseada na dinâmica dos 4 E’s:


Encontro

O Encontro é o primeiro contato das pessoas umas com as outras, quando chegam ao grupo. Deve haver uma interação entre os membros do grupo antes do tempo reservado para os cânticos e o compartilhar da Palavra e oração. O quebra-gelo é uma oportunidade das pessoas falarem e sentirem-se absolutamente a vontade no grupo. Sentindo-se a vontade para falar sobre assuntos simples, elas poderão falar sobre assuntos mais particulares posteriormente.
O dirigente deverá buscar a Deus para saber qual a melhor pergunta para o quebra-gelo, pois ele levará as pessoas a se abrirem e ficarem mais soltas e receptivas para a continuidade da reunião.

Exaltação

A Exaltação é o momento de o grupo agradecer e elogiar a Deus; louvar e exaltar ao Senhor Jesus Cristo por todos os benefícios recebidos. Louvar a Deus, exalta-lo, bendize-lo e honra-lo com cânticos e palavras de amor é essencial para a operação do Espírito Santo manifestando a presença do Senhor. O dirigente deverá estar atento, pois este é o momento muito apropriado para levar as pessoas ao batismo no Espírito Santo (Efésios 5:18-20).


Edificação

A Palavra de Deus, sintetizada no boletim deve ser usado como uma ferramenta que promova edificação e interação entre os membros do grupo. Não deve ser lido como em uma missa. O papel do dirigente nesta parte não será o de pregador ou de mestre, mas sim de facilitador da participação de todos, para que haja compartilhamento e mútua edificação. No final deste período o dirigente deverá levar o grupo a orar pelas necessidades uns dos outros.


Evangelismo

A ênfase principal do GCEM deve ser a grande comissão dada por Jesus a todos nós: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” - Mateus 28:19. A última etapa da reunião deve privilegiar o trabalho evangelístico. O alvo é alcançar os não cristãos através de cada membro do GCEM. O dirigente deve demonstrar para o grupo, com palavras, oração e planos, que todos devem estar envolvidos no crescimento e multiplicação do grupo.
Por outro lado, se o dirigente não se preparar convenientemente, através da comunhão íntima com o Senhor, toda esta dinâmica será vazia, fria e sem vida. Para que a presença de Jesus seja realmente manifestada, “...onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles...”, é necessário que o dirigente invista diariamente num tempo precioso na Palavra, na oração, na adoração e louvor, na intercessão e na guerra espiritual, tudo isto acompanhado de um plano de jejum.